terça-feira, 3 de março de 2009

La puissance d'une lèvre/O poder de um lábio

Para abrir um sorriso ou fechar um bico, lá está. Sonhei, planejei, ansiei beijá-lo e quando realizei, meus lábios riram da situação, riram das minhas bochechas avermelhadas, riram das palavras que usei, riram da minha emoção exacerbada por uma coisa que eu nem gostei. Foi, foi meu primeiro beijo, o menino não era dos meus sonhos, mas se tornou a minha breve realidade, e a partir do lábio dele junto ao meu, meu coração pulou pela primeira vez. Depois, amei novamente, mas nossos lábios estavam distantes, e (talvez) devido a isso, nosso amor também ficou... Porém quando nossos lábios marcaram o primeiro encontro, o amor voltou pra dentro de nós como uma criança volta correndo pra mãe quando está com fome e sabe que terá uma boa comida à sua espera, ao toque dos lábios, a paixão eclodiu, o sangue fluiu e pronto estava formado o beijo, depois do lábio recitar tantos versos carinhosos, a língua só finalizou o seu trabalho.

Um comentário:

Rodrigo disse...

a língua finalizou o trabalho ;9 imagino FIAUSUYASIDUAIU. adorei o texto <3